Hipertensão: para aprimorar o controle e o diagnóstico precoce

Nem sempre os médicos encaram o tratamento do paciente hipertenso como um desafio, mas os dados de realidade são cruéis e mostram que não é bem assim


Apenas 38% dos brasileiros com hipertensão estão com esse quadro controlado, de acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) mais recente.

“Às vezes, existe uma insistência no uso de uma única medicação sem trocá-la nem acrescentar outra. Enquanto hoje a tendência é fazer mais precocemente associações de medicamentos para alcançarmos as metas. Esse ponto será muito discutido no evento no Rio de Janeiro”, observa Luiz Bortolotto, membro da Comissão Científica do 77º Congresso Brasileiro de Cardiologia / World Congress of Cardiology (WCC 2022) e um dos envolvidos na programação dessa área em particular no evento.


A falta investigação de causas secundárias também pode contribuir para o descontrole. Mas quando desconfiar delas? Para mostrar isso ao cardiologista, será realizada a mesa-redonda E quando a hipertensão não é primária? Suspeita e manejo. Ela acontecerá no dia 15 de outubro, às 10h40, no auditório 17.

Na mesma atividade, serão reveladas as últimas evidências sobre os benefícios da denervação renal usando tecnologias modernas para grupos pacientes selecionados.

Foco multidisciplinar

Outro destaque do WCC 2022 é o Simpósio Especial da Liga de Hipertensão Arterial das Faculdades de Medicina e Enfermagem da Universidade Federal de Goiás, no dia 15 de outubro, às 9h, no auditório 6.

Esse simpósio contará, inclusive, com a participação de Antonio Coca, professor da Universidade de Barcelona, na Espanha. Ele abordará o que seria, atualmente, o estado da arte no tratamento do individuo com pressão arterial alta.

Segundo a enfermeira sanitarista Ana Luiza Lima Sousa, uma das coordenadores do simpósio, no final os congressistas terão uma visão condensada das principais pesquisas dessa liga, que têm como característica envolver profissionais de diversas áreas da saúde, como Fisioterapia, Educação Física, Nutrição e Psicologia, além da própria Medicina.

Para Weimar Barroso de Souza, também membro da Comissão Científica do Congresso e coordenador do simpósio, vale sublinhar especificamente a apresentação do Projeto Legado. Ele justifica: “Trata-se de um projeto bastante robusto de desenvolvimento de modelos de telemonitoramento de fatores de risco cardiovascular, capazes de serem usados pelo SUS em cidades de pequeno e médio porte de todo o Brasil”.

Outra pesquisa bastante interessante aponta a relação entre alterações de complacência da pressão intracraniana, examinadas de forma não invasiva, com perda de função cognitiva.

Também será discutida a metodologia de dilatação de fluxo mediada para identificar o dano vascular. “Essa técnica tem sido cada vez mais usada no diagnóstico e no acompanhamento de pacientes hipertensos”, nota Weimar Barroso de Souza. “Isso porque ajuda a estabelecer estratégias de tratamento na fase bem inicial da doença, diminuindo assim a sua mortalidade.” Quem for ao congresso, ele garante, aprenderá a interpretar seus resultados e saberá como é possível aplicá-la no consultório para definir condutas.

Lesões arteriais

Na mesa-redonda Lesão vascular associada à hipertensão arterial sistêmica, programada para o dia 14 de outubro, às 10h40, no auditório 17, um dos focos será a identificação de alterações na microcirculação. “Elas são responsáveis por manifestações da hipertensão nos rins”, explica Luiz Bortolotto. Mas claro que também abordaremos aquelas alterações em vasos maiores, desde as funcionais, provocando prejuízo da capacidade de distensão, até as lesões de artérias cerebrais capazes de levar ao AVC.”

Segundo ele, a ideia é que os congressistas treinem o olhar e saibam identificar sintomas suspeitos para aprimorar as indicações de exames capazes de flagrá-las.

Busque por mais atividades sobre hipertensão na programação do Congresso, que acontecerá entre 13 e 15 de outubro no Centro de Convenções Riocentro, no Rio de Janeiro.

Para participar e ter a oportunidade de encontrar alguns dos maiores nomes da cardiologia mundial, inscreva-se no link: https://www.worldcardio2022.com/inscricao.