Os últimos avanços em cardiologia intervencionista

Novos materiais e dispositivos, além de novas técnicas para a realização dos procedimentos: participar do WCC 2022 é uma maneira de acompanhar os passos largos dessa área

da Medicina


Sob o imenso guarda-chuva da Cardiologia, talvez a área intervencionista seja a que deu o maior salto na última década. E, mesmo se você fizer um recorte mais recente de tempo — de dois, três anos para cá apenas —, notará que é difícil para qualquer médico acompanhar tantos avanços tecnológicos em materiais e dispositivos, para não dizer nas próprias técnicas, isto é, na maneira de realizar os procedimentos.


Nesse sentido, participar do 77º Congresso Brasileiro de Cardiologia e do World Congress of Cardiology (WCC 2022) é um facilitador. “Vamos revisar esses avanços de uma maneira compreensiva, como costumam dizer os americanos, a fim de deixar a prática do cardiologista intervencionista ainda mais qualificada do que já e também para melhorar o entendimento do cardiologista clínico de como a gente pode usar esses recursos em prol dos pacientes”, explica Paulo Caramori, coordenador do Comitê Científico da SBC (Sociedade Brasileira de Cardiologia).

Problema nas válvulas


Tudo o que a cardiologia intervencionista é capaz de realizar atualmente está contemplado no evento. Mas Caramori sublinha a parte da programação que aponta como essa área está mudando a cara, por assim dizer, do tratamento das doenças das válvulas cardíacas, graças aos seus procedimentos menos invasivos do que os convencionais, que possibilitam ao paciente uma alta hospitalar no dia seguinte na maioria das vezes.


“O modo como a cardiologia intervencionista está tratando a estenose aórtica merece atenção”, exemplifica. “E, nesse caso específico, entre outros tópicos, iremos abordar qual seria a melhor prótese para ser usada em pacientes de menor porte físico, com ênfase nas mulheres, que têm uma estrutura vascular menor do que os homens.”


Já o tratamento da insuficiência mitral e o desse problema na válvula tricúspide são, na opinião de Caramori, duas amostras do que se encontra na fronteira do conhecimento. “Por isso mesmo, esses serão ostensivamente discutidos no WCC 2022”, informa.


Por sinal, no dia 14 de outubro, às 16h50, no auditório 8, acontecerá a sessão Inovações no tratamento percutâneo das afecções valvares. Nela, Caramori destaca a apresentação do cardiologista alemão Eberhard Grube, do Center of Innovative Interventions in Cardiology, em Bonn. Ele falará justamente sobre novos dispositivos para tratar a insuficiência tricúspide.

Antiplaquetários: quem se beneficiaria com um menor tempo de tratamento?


Novos dados levantam essa questão de manejo após uma síndrome coronária aguda e do implante de stents. “Sim, parece que alguns pacientes são beneficiados com um menor tempo de tratamento, o que é quase contra-intuitivo”, comenta Caramori. “Identificar quem são esses indivíduos é fundamental para diminuir os riscos e manter, claro, os ganhos com o procedimento intervencionista.”



No dia 15 de outubro, às 10h40, haverá a sessão Desafios na terapia antitrombótica após a intervenção coronariana percutânea. Vale ressaltar a participação da cardiologista intervencionista Roxana Mehran, professora da Mount Sinai School of Medicine, abordando como deveria ser a terapia antiplaquetária em pessoas com alto risco de sangramento.



Quando realizar a revascularização percutânea em pacientes com doença coronariana estável?


O cardiologista intervencionista Sripal Bangalore, da New York University School of Medicine, contribuirá com a resposta a essa pergunta, discutindo como a extensão da isquemia no miocárdio é capaz de interferir na decisão terapêutica. Isso será durante a sessão Manejo atual da doença arterial coronariana obstrutiva crônica, no dia 13 de outubro, às 17h20, no auditório 11.


Lembre-se, porém, que esses são apenas bons exemplos para animá-lo diante da aproximação do congresso. “Acima de tudo, o evento será uma grande oportunidade de ouvir e compartilhar conhecimento com os colegas que são líderes de opinião na cardiologia intervencionista no Brasil e no Exterior”, diz Caramori.


Confira toda a programação nessa área e participe do WCC 2022, entre 13 e 15 de outubro, no Centro de Convenções Riocentro, no Rio de Janeiro.


Caso ainda não tenha feito a sua inscrição, aproveite que está aqui e clique no link: https://www.worldcardio2022.com/inscricao